jhony-bezerra-publicidade2
FABIO-PUBLICDADE-HORIZONTAL-min
PUBLICIDADE-HORIZONTAL-SEBASTIAO
publicidade-horizontal

Duas questões importantes se revelaram na noite da última quinta-feira 20 de abril de 2017, na Paraíba. Um tabu de quase 4 anos quebrado e a insensatez de 4 meses repetida.

A festa dos torcedores trezeanos, e até mesmo dos jogadores ainda no gramado do amigão, mostrou o quanto estavam todos ansiosos, profundamente incomodados e em sofrimento com os 4 anos sem vencer a raposa.

Comemoração merecida e sem quaisquer sombras de dúvidas, também por uma vitória merecida. O Campinense jogou pra perder. Esta foi a minha impressão.

A bem da verdade, a impressão que tenho, comungada por boa parte da torcida raposeira, a combinação é explosiva: falta planejamento e sobra insensatez.

Se isso der certo em algum momento será a vitória do “bambo”. Nunca fiz qualquer crítica pública ao presidente do Campinense. Porém, desta vez me parece claramente que se não tem rumo o clube, não pode ter rumo o time.

Escrevi aqui mesmo há mais de um mês: http://pbesportes.net/rangeljunior/page/2/

“O Campinense Clube passou por vários percalços até aqui. E depois de cumpridos 3 meses do ano de 2017 já trabalha com o terceiro treinador do seu time.

Se existisse lógica matemática na vida poderíamos dizer que até outubro teríamos 10 técnicos dirigindo a Raposa do Nordeste.”

Quatro meses, quatro técnicos, quatro anos incompletos de tabu, agora quebrado…

Tô doido pra ver se a vida prova o contrário e o errado da certo. Veremos mais tarde e nas próximas duas semanas.