UM DE FORA, FALTA OUTRO.

O campeonato Paraibano que começa daqui a pouco tem uma situação curiosa.
Serão 10 clubes disputando o troféu e o direito a copas do longínquo ano que vem, e há um processo natural que divide por 3 o campeonato. Teremos dois grupos de 5, destes dois grupos, 3 equipes são consideradas favoritas: Botafogo, Campinense e Treze.
O Botafogo é o único clube que tem garantido calendário inteiro para 2019 independente do ano que vem e quase certa sua presença outra vez na Copa do Nordeste do ano que vem. Não é a toa que o Belo é o melhor ranqueado da Paraíba, e no momento, um time estranho para os olhos do resto do estado, no tocante a atletas, não fosse Dico, Patrick, Magno seria totalmente estranho. O Botafogo fez uma modificação extrema, trazendo inclusive um treinador nunca andado por essas bandas. Não é ao meu ver, o favorito.
Ainda na primeira trinca e obedecendo a ordem alfabética (que não sou besta) aparece um Campinense com um complexo de vira-latas gigantesco. Depois de reeleger o mesmo presidente que deu títulos, exposição, dinheiro e status, reelegeu exatamente o mesmo que não gosta de conversar com a torcida, que age como se o clube fosse seu e repete quase os mesmos erros do começo do ano passado. Em 2017 começou trocando treinadores a rodo, agora jogadores. O Campinense surge como terceira força e tenta se reencontrar em um cenário onde só cabem dois, contentando-se com uma segunda colocação. Pouco para quem um dia foi Série B.O trunfo, acreditem: Celso Teixeira ( o mesmo doido que colocou o Treze no lugar de destaque de hoje).
O Treze é sem dúvida o favorito. Pelo ressurgimento desse ano, pela ousadia de usar a mística da camisa alvinegra, pela inteligência de usar o amadorismo do maior rival em seu favorecimento, remonta seu time com calendário cheio (sim, passará pelo Cordino) com atletas quase todos já conhecidos da sua torcida que ainda o olha com desconfiança. O time que tem dois presidentes, um que faz e outro que assina, trouxe de volta a Campina nomes que fizeram o Renatão engolir seco: Dedé, Marcelinho Paraíba e ele, Oliveira Canindé, que apesar de sua visível decadência ainda era sonho de consumo do mais alto rival. Oliveira depois do titulo da Copa do Nordeste, perambulou por series B,C,D, até ser sumariamente dispensado de equipes como Remo e Sampaio Correia. Depois de ter feitos grandes campanhas pelo América-RN, uma apagável no Santa Cruz-PE, duas temporadas com o CSA sem conseguir nunca ser campeão por lá, mas o responsável direto por coloca-lo na Serie C, talvez o maior sonho do Treze. Engana-se quem pensa assim, Oliveira chega para ser Bi Campeão da Copa do Nordeste, para que finalmente a estrela que borda o escudo do Treze, tenha realmente sentido.
Na segunda Trinca do campeonato, aparecem os sertanejos: Atlético, Sousa e a volta do Nacional de Patos. No Campeonato do ano passado, Atlético chegou as semifinais, o Sousa esteve na D e patinou na falta de recursos e o Nacional de Patos, enfim de volta, campeão da Segunda Divisão, chega com o intuito de não sair mais. Que bom que o sertão continua forte, até porque , estamos falando de três campeões estaduais.
Na terceira trinca, aparecem aqueles que brigarão para que caia um: Auto Esporte, que tenta usar o campo e o patrocínio do Engenho São Paulo para intimidar adversários; o CSP que com seu futebol de empresário tentará ser o chato de sempre e o Grêmio Serrano, que finalmente terá motivos de sobras para se juntar aquele clube que ficou de fora das três trincas.
A Desportiva Guarabira pelo histórico do clube, pela condição financeira envolvendo a região e pela falta de credibilidade do empresariado local para o clube de sua cidade e ainda pelo futebol que os próprios nativos não encontram, motivo para acreditar, apoiar e torcer. O único medo que o Guarabira mete nos adversários é um jogo a noite, na chuva , no Silvio Porto, mas como o campeonato vai transcorrer longe do período de chuvas, é ao meu ver, o mais forte candidato ao rebaixamento.
Resumindo. Acredito que haverá uma briga muito grande entre Campinense e Botafogo para conseguir estar na final do certame. É que a tabela promete fortes emoções para os trezeanos, que enfrentarão 4 forças de duas trincas: Botafogo, Campinense, Nacional e Sousa, mas em compensação, disputará pontos com forças não muitos tradicionais, como Atlético, CSP, Serrano e Guarabira. Dificilmente não estará nas semifinais.
É o favorito, em um campeonato de três trincas.

As informações dos colunistas não representam a opinião do site PB Esportes; a responsabilidade do texto é do autor.

Deixe um comentário