Botafogo-PB vence o Campinense e é Bicampeão Estadual

Em duelo muito equilibrado, o Belo bateu o Campinense, por 2 a 0, na noite deste domingo, no estádio Almeidão, em João Pessoa e sagrou-se bicampeão do Campeonato Paraibano.

No jogo de ida, a Raposa havia vencido por 1 a 0 e jogava pelo empate. O time botafoguense, por ter feito melhor campanha na somatória das fases, poderia jogar pela igualdade no placar agregado. Uma vitória por um gol de diferença já seria suficiente.

Um fato curioso é justamente em relação ao número de títulos do Bota e do Campinense. Oficialmente, a Federação Paraibana de Futebol (FPF) diz que este foi o 29º título estadual do clube. Os rubro-negros ficam com 20 taças, seguido do rival Treze, que possui 15 troféus.

Nas comemorações, entretanto, a delegação do Belo ostentou camisas com o número 30, em alusão a 30º título. Isso porque o clube se considera campeão de 2002, após ter conseguido na Justiça punição ao Atlético Cajazeiras por escalação de jogador irregular. O Campinense pleiteia o título de campeão de 1975, dividido entre Bota e Treze.

DESTAQUE NEGATIVO
Assim como acontecera na primeira partida, o Botafogo teve muitas dificuldades de criar situações de jogo com a bola rolando. O time basicamente chegou com perigo nas bolas paradas. Montado na vantagem, o Campinense foi mais cauteloso e se arriscou muito pouco.

Aproveitando-se da pressão botafoguense, a Raposa criou as duas primeiras chances. Aos sete minutos, o zagueiro Gladstone falhou feio e perdeu para o atacante Jackinha. Ele saiu na cara do gol, mas chutou em cima do goleiro Saulo. No minuto seguinte, o volante Felipe Macena arriscou da meia-lua e o arqueiro espalmou para escanteio de novo.

Na sequência, o jogo teve poucas oportunidades. Destaque mesmo ficou para a confusão que paralisou a partida por cinco minutos. Integrantes da comissão técnica rubro-negra se desentenderam com gandulas, que agrediram um dos integrantes. No empurra-empurram, o goleiro e lateral reserva Delone e Orlan, respectivamente, dos visitantes receberam vermelho. Três gandulas também foram expulsos.

O clima quente fora de campo parece ter acordado o Belo, que criou quatro boas oportunidades até o intervalo. A mais incrível delas aos 31 minutos. O meia Marcos Aurélio levantou na área e o atacante Dico ajeitou para trás. Sozinho na área, o zagueiro Gladstone pegou torto na bola e mandou para fora.

OUTRO JOGO

Os donos da casa mantiveram o mesmo ritmo no início da segunda etapa. A nova postura não demorou a render frutos ao time, que abriu o placar aos quatro minutos. O lateral Felipe Cordeiro cruzou da direita e Dico ajeito de cabeça. O volante Rafael Jataí dividiu ciom a defesa e a sobra ficou com o atacante Nando. Ele dominou e chutou sem chances de defesa.

O gol deu mais tranquilidade ao Alvinegro, que estava garantindo a taça àquela altura. Mais cauteloso, o time de Leston Júnior diminuiu o ritmo. O Campinense, por sua vez, não conseguiu imprimir uma pressão a ponto de empatar.

A situação só piorou aos 32 minutos, quando o zagueiro Rafael Jensen deu uma entrada no atacante Mário Sérgio, recebeu o segundo amarelo e foi expulso. Na cobrança de falta, aos 33, Marcos Aurélio exigiu grande defesa de Jeferson.

Mesmo com a menos, os visitantes poderiam ter empatado graças a um vacilo defensivo do rival. Após erro na saída de bola, o lateral Alex Murici escapou pela direita e bateu na saída do goleiro. A bola passou quase em cima da linha e não entrou.

Como diz o velho ditado, quem não faz toma. Aos 35, aconteceu o golpe de misericórdia. Marcos Aurélio cruzou na área e o zagueiro Lula desviou de cabeça. A bola entrou no canto direito de Jeferson.

PB Esportes com Futebol Interior






Envie informações à Redação do PB Esportes por meio do Whatsaap através do telefone (83)996550823.
Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem citar a fonte PB Esportes. Textos, fotos, artes e vídeos do PB Esportes estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

1 Response

  1. Carlos Campello

    Os jogadores do Campinense estão de parabéns pela garra e determinação dentro de campo, isto não se pode negar. A superioridade técnica do Botafogo era evidente e foi mais do que merecido ter conquistado o título. Willian Simões será que o senhor viu o Marcos Aurélio do Botafogo? Viu a diferença que faz ter um meia que a qualquer momento decide o jogo? Pois bem esta já é a quarta competição consecutiva que a torcida pede pelo menos um meia e nada foi feito. Só vem jogador meia boca pra esta posição, este é o resultado, títulos ou acesso que é bom, nada.

Deixe um comentário