Você lembra de Lúcio Surubim ?

Ele nasceu no dia vinte e sete de abril do ano de mil novecentos e sessenta e nove, na prazerosa cidade de Surubim, localizada na Mata Norte de Pernambuco, sendo batizado pelos seus pais com o nome de Lúcio Jorge da Silva Rêgo, e posteriormente ficou conhecido para o mundo da bola por “Lúcio Surubim”.

Em 1988 ele ingressou no Clube Náutico Capibaribe, iniciando uma carreira repleta de sucesso com passagem em muitos clubes do nosso país. Foi uma vida de cigano levando alegrias para torcedores de diversas cores, cultura, sotaque e costumes.

O nosso clássico e seguro zagueiro, jogou uma temporada no Maranhão Atlético Clube, na Associação Esportiva Araçatuba -SP, Esporte Clube Corinthians, de Presidente Prudente, SP, Moto Club  – MA, Botafogo Futebol Clube, da cidade de Ribeirão Preto – SP, Botafogo Futebol Clube,  PB, Sampaio Corrêa Futebol Clube, MA, Mirassol Futebol Clube, SP, Futebol Clube Santa Cruz, RS,  Criciúma Esporte Clube – SC, Quinze de Novembro – RS, América Futebol Clube, da cidade de Caaporã -PB , Campinense Clube, PB, e no Surubim Futebol Clube, PE.

Para a nossa alegria, a sua carreira foi marcada com grandes feitos e encerrada jogando em nossos gramados vestindo a camisa do Campinense Clube, do Botafogo e do América da cidade de Caaporã.

Hoje, com as famosas chuteiras aposentadas e residindo na cidade do Recife, onde exerce a profissão de odontólogo, jornalista e possui uma conceituada escolinha de futebol, o xerife lembra com saudade das suas convocações para integrar a seleção brasileira de Juniores e de Novos, um reconhecimento ao seu dinâmico e aplicado futebol.

Lúcio também se orgulha de ter contribuído com o Clube Náutico Capibaribe na conquista do acesso nos anos de 1988 e 1993.

Também ajudou ao Corinthians, de Presidente Prudente a conquistar a vaga na série A2 do famoso paulistão. Finalmente, também contribuiu com a vaga da primeira divisão, do disputadíssimo campeonato gaúcho ao Quinze de Novembro da cidade de Campo Bom, Rio Grande do Sul.

Outras passagens alegres e marcantes em sua carreira, foi o privilégio de ter colocado, em seus ombros, a faixa de campeão pernambucano, a faixa de campeão paraibano e, também, campeão maranhense, sempre exercendo papel importante e de liderança no esquema tático das equipes vencedoras.

Um dia estava eu conversando com o saudoso Ivan Bezerra de Albuquerque, cronista que militou em nosso futebol por mais de 60 anos, quando tive a curiosidade de solicitar ao mestre, em sua visão, qual seria o Botafogo – PB de todos os tempos. Ele me pediu dez dias para pesquisar e não cometer injustiças, em seguida ele me encaminhou dois quadros do alvinegro da estrela vermelha, que abaixo transcrevo e que consta o nome do xerife Lúcio Surubim no seleto grupo de atletas de várias gerações e épocas distintas.

Equipe A: Zé Armando, Lúcio Mauro, Kleber Bonates,  Deca e Fantick, Victor Hugo e Roberto Viana, Nelsinho, Nininho, Delgado e Zeca. Técnico Herivaldo Guerra (Vavá).
Equipe B: Fernando, Vinicius, Lúcio Surubim, Berto e Tita, Nicássio, Magno e Zé Eduardo, Chico Matemático, Reinaldo e Mauro Madureira. Técnico Pedrinho Rodrigues.

Para nós torcedores, cronistas e desportistas ficou a certeza de que Lúcio Jorge da Silva Rêgo, o popular “Lúcio Surubim” escreveu o seu nome com tintas douradas e perpétuas na brilhante história do futebol paraibano.

Deixe um comentário