OPINIÃO – Verdades difíceis de engolir

Dizem que algumas verdades são difíceis de engolir. O que seriam essas verdades, senão meramente opiniões? Em contraponto, o que seriam as opiniões diante das verdades? Fatos são fatos e por mais que se queira enxergar sob variadas óticas, fica difícil fugir de algumas conclusões quando se é notório. Tem coisa que só não vê quem não quer.

Passados cinco jogos na Série D do Campeonato Brasileiro, o Campinense só teve exibição de destaque: na primeira rodada, contra o América/RN, em condições favoráveis: gramado de excelente nível, condições climáticas adequadas e adversário se expondo defensivamente. Àquela altura, eu falava sobre a necessidade de provar-se em situações adversas, entre gramados ruins, jogos de baixo nível técnico e variações climáticas. Ora, nada disso surpreende em se tratando de Série D e tampouco pode ser desculpa para as más atuações nos jogos subsequentes. O fato é que o Campinense precisava se provar. E não se provou. 

Do contrário: desandou do caminho que parecia trilhar. O bonito discurso de luta pelo acesso passou a contrapor-se à realidade. Com desfalques e sem soluções de qualidade dentro do elenco, Givanildo Sales passou a precisar encontrar o time ideal, muitas vezes com mudanças dentro das partidas. O desempenho antes promissor virou desesperador e os resultados não vieram. Os reforços à altura do objetivo também não. De quebra, falhas individuais decidiram jogos. Quem é o pai dessa criança? A falta de um padrão tático melhor definido? A adaptação dos atletas ao esquema proposto? A falta de opções de maior qualidade dentro do elenco? O azar de ter tantos atletas entregues ao DM? Jogadores descompromissados? Questionamentos não faltam. 

Este jogo contra o Atlético de Cajazeiras foi o ápice. Foi a primeira vez que as equipes se enfrentaram em uma competição nacional e foi também a maior vitória do time cajazeirense sobre o rubro-negro. O Campinense se mostrou perdido de todas as formas. Taticamente não soube o que fazer, tecnicamente não teve o que entregar e emocionalmente não soube se conter.

Fotos: Gabriela Sávio / Atlético de Cajazeiras-PB

Precisa ser um divisor de águas quantos às reais pretensões do Campinense na Série D. Ou se assume que há um problema e busca uma forma de resolvê-lo ou lavam-se as mãos e deixa-se de sonhar. O que não dá é para continuar propagando algo que, a preço de agora, não vai acontecer. O Campinense não tem time pra brigar pelo acesso. Bola pra frente.

 

Curtiu? Chega com a gente nas redes sociais. O texto é de @ademartrigueiro.

Deixe um comentário