PUBLICIDADE-HORIZONTAL-SEBASTIAO
jhony-bezerra-publicidade2

Imagine você colecionando o álbum de figurinhas da Copa do Mundo da Rússia e faltando apenas duas para completar o álbum. O seu vizinho de prédio tem as duas no bolo de repetidas. Mas como descobrir isso se, apesar da proximidade das residências, vocês não se conhecem? A solução está no site Complete Álbum.

A ferramenta eletrônica facilita que essa procura por figurinhas específicas seja feita de forma mais rápida e direta. A reportagem do Bahia Notícias conversou com o baiano Alexandre Jatobá, de 42 anos, que criou o site junto com os colegas Eduardo Borges e Adhemar Fontes, todos analistas de sistema. Viciado em colecionar álbuns desde a infância, a ideia surgiu quando ele colecionava figurinhas com o filho, de 8 anos, e tiveram algumas dificuldades ao entrar num grupo de WhatsApp com muitas pessoas. “Imagine num grupo com 250 pessoas e cada um postando a relação das figurinhas que faltam e as repetidas que cada um tem? Como sou analista de sistemas, pensei no que podia melhorar”, questionou.

Daí ele teve a ideia de sistematizar a parte de troca de figurinhas. Ao invés da pessoa postar nos grupos da rede social, ele cadastra no site as figurinhas que está precisando e as que estão sobrando. O sistema cruza as informações e mostra quem tem as faltantes. A partir daí, a primeira mensagem disparada pelo site vai direto para o contato de WhatsApp da pessoa.

O site tem aproximadamente 20 dias de criação e já conta com cerca de 2 mil usuários espalhados em mais de 240 cidades do Brasil. “Tem mais ou menos 50 mil figurinhas repetidas cadastradas no site”, informou Jatobá, que completou dizendo que não tem o número de quantos álbuns foram completados com o auxílio da plataforma digital. “Salvador tem cerca de 800 pessoas cadastradas no site”, destacou.

se cadastrar, o interessado deve preencher alguns campos no site, que são nome, e-mail, telefone de WhatsApp, estado, cidade e bairro. “Quando você envia a mensagem, ela já cai pronta no WhatsApp da pessoa, mesmo que você não tenha o contato dela salvo no seu telefone. A partir dali começa a negociação da troca. Nós [do site] fazemos somente o canal de comunicação entre eles”, falou.

De acordo com Jatobá, a negociação entre os colecionadores é livre e o site não tem nenhuma interferência ou regra. “Se o cara quiser, pode até vender a figurinha”, completou. Por não interferir nas negociações, o site se isenta de qualquer quebra de confiança, quando as trocas são feitas na portaria dos prédios, deixando e pegando as figurinhas com os porteiros. “Ainda não recebi nenhuma reclamação de alguém que pudesse ter deixado e o outro pegou sem deixar… É muito de confiança. A maioria das trocas eu fiz marcando com as pessoas no shopping”, afirmou. A troca também pode ser feita entre pessoas de estados diferentes.

No entanto, o site informa primeiro os contatos que estão na mesma cidade, além dos bairros. “Informar o bairro não é obrigatório, mas a maioria das pessoas coloca”, destacou. Na Era dos aplicativos, o analista de sistema explicou a escolha da plataforma. “Nós tínhamos a inteligência para desenvolver um site no momento e a ideia do negócio. Então, para que a gente não perdesse o ‘boom’ desse momento que está contratando alguém para desenvolver um aplicativo iria demorar muito mais”, explicou. “Mas o site vai continuar no ar para outros álbuns como do Campeonato Brasileiro que vai vir, já existe o da Champions League. Então, em breve ele vai virar aplicativo”, pontou.

O álbum tem 682 figurinhas e cada pacote que custa R$ 2,00 vem com cinco em cada. “Na média, tem gente que gasta 700 a 800 reais para fechar, com o site a pessoa deve gastar 400, 450 reais. É uma economia razoável”, disse Alexandre. “Por exemplo, você falta dez figurinhas, aí um dia você consegue uma, no outro acha mais outra é pingado até completar. O site é importantíssimo, porque se você ficar comprando figurinhas, a chance de encontrar aquelas determinadas que precisa é baixíssima. Tem que trocar mesmo”, alertou. Ele conta que não tem nenhum retorno financeira com a criação e que também não tinha intenção de lucro, porém começou a pensar mais a respeito e que futuramente ele e os sócios poderão abrir o site para anúncios.

“Foi uma iniciativa gratuita mesmo. Não tínhamos nenhuma intenção de ganhar nada com o site até alguns dias. Com o passar do tempo a gente foi percebendo que atraía isso. Mas por enquanto está sendo muito mais divertido. Estamos fazendo algo que está ajudando muita gente e isso é gratificante, além de estar atraindo as pessoas para algo que construímos”, falou.

Foto: Internet

PB Esportes com Bahia Noticias