PUBLICIDADE-HORIZONTAL-SEBASTIAO
FABIO-PUBLICDADE-HORIZONTAL-min
PUBLICIDADE MARE DISTRIBUIDORA HORIZONTAL-min (1)
Foto: Reprodução Instagram

Prestes a estrear na Segunda Divisão do Campeonato Mato-grossense o clube mais tradicional do Estado, com o maior número de títulos (24) e mais conhecido fora de Mato Grosso, também tem um homônimo a mais de 3 mil quilômetros de distância, o Mixto Esporte Clube da Paraíba.


Enquanto o alvinegro negro completará seu 88º aniversário no dia 20 de maio, o xará paraibano foi fundado em 16 de agosto de 1989, federado em 2014, e é presidido por um ex-jogador. “Fui campeão pelo Mixto como jogador aos 15 anos e hoje sou presidente”, disse o agora cartola, de 49 anos, Marconi Silva, que em seguida explica como surgiu o clube com as cores e o nome do Tigre cuiabano.

PUBLICIDADE


“Foi muita coincidência. Um grupo de amigos estava prestes a disputar um raxa e resolveu misturar tudo, gordo, magro, alto, velho, menino e aí veio a idéia de nomear como Mixto, e ficou!”, afirma Marconi.


Mas, diferentemente do alvinegro cuiabano, o Mixto de João Pessoa-PB, ainda é um clube amador, que só disputa competições extra-oficiais e ainda não tem nenhum título.


“Fomos vice-campeões estaduais no feminino por duas vezes, vice no Sub-17 e sub-15, é difícil enfrentar os clubes profissionais que possuem estrutura, mas não desistimos”, garante Marconi.


“Já tivemos os uniformes idênticos ao do Mixto de Cuiabá, que descobrimos depois que existia, e como forma de homenagear o clube usamos por um tempo, mas como em nossa diretoria existem muitos flamenguistas, a camisa com a faixa transversal foi deixada de lado, porque eles achavam parecida com a camisa do Vasco (risos)”, conta.


Apesar de enfrentar dificuldades até para os treinamentos, usando um ct municipal, cedido pela Prefeitura de João Pessoa, o Mixto da Paraíba conta com duas jogadoras mato-grossenses no elenco feminino: Maiara e Mariana – a segunda inclusive acabou de ser contratada por um rival.


“É um orgulho para nós usar o nome do Mixto, quem sabe um dia possamos nos encontrar e enfrentar o Mixto de Cuiabá num Campeonato Brasileiro Feminino, sei que tem um grande time, acompanhamos tudo pela internet, seria um sonho para nós”, concluiu Marconi.


O outro homônimo do Mixto fica em Três Lagoas, Mato Grosso do Sul, mas a grafia do nome foi registrada com ‘S’. Há 4 anos o clube foi excluído da Série B do Sul-mato-grossense, por usar jogadores irregulares.

PB Esportes com informações de Oliveira Júnior\ Editor de Esportes A GAZETA

PUBLICIDADE