PUBLICIDADE-HORIZONTAL-SEBASTIAO
jhony-bezerra-publicidade2

A principal competição do basquete nacional está suspensa desde 16 de março. O esporte entrou em uma espécie de estado de hibernação por conta da pandemia do novo coronavírus. A proliferação da Covid-19 interrompeu diversos campeonatos esportivos pelo mundo.

O NBB estava nas rodadas finais da fase de classificação antes da paralisação. Várias reuniões já foram realizadas entre a Liga Nacional de Basquete e os dirigentes de clubes. A primeira decisão tomada foi encerrar a fase de classificação e definir os participantes da fase de playoffs, respeitando a classificação do momento.

Um alento para as 16 equipes participantes da Liga é que este ano é que não haverá rebaixamento. E com isso as equipes já podem ter um planejamento para a próxima temporada.

Porém, as indefinições continuam e com a aproximação do fim de abril, onde a maioria dos atletas tem o fim dos seus contratos se aproximando, algumas equipes já abriram mão de encerrar a temporada e não irão renovar o contrato dos atletas. Os exemplos são: Bauru e o Pinheiros, ambos de São Paulo-SP.

Os dois times mesmo classificados para os playoffs desistiram da disputa da atual temporada do Novo Basquete Brasil (NBB).

A Liga Nacional de Basquete (LNB) discute como retomar o torneio, e agora terá que pensar uma solução com no máximo 10 times – os quatro últimos da fase de classificação já foram eliminados.

Em entrevista ao PB Esportes, o diretor da Unifacisa, Diego Gadelha falou sobre o futuro da atual temporada do NBB.

Foto: Marketing/Unifacisa