jhony-bezerra-publicidade2
FABIO-PUBLICDADE-HORIZONTAL-min
PUBLICIDADE-HORIZONTAL-SEBASTIAO
publicidade-horizontal

Esses que andam por aí contando vantagem é comemorando uma suposta morte prematura da Raposa do Nordeste, melhor que botem as barras de molho e se preparem pros embates vindouros.

No primeiro texto postado aqui no blog eu lancei um vaticínio que o Campinense tinha tudo para estar entre os favoritos e garantir o tri paraibano.

Bastaram alguns tropeços de início de temporada que os arautos da má sorte, às aves de mau agouro correram a pregar até o rebaixamento do melhor da Paraíba neste campeonato 2017.

Reviravolta, mudança de treinador, nova derrota (vergonhosa) para um time sem história, sem torcida, sem sede, com todo o respeito aos jogadores e equipe técnica do Internacional. Aliás, na capital, depois da derrota da Raposa no domingo passado (29/01), proliferaram gozadores e torcedores deste ainda novo time paraibano.

Pois bem! Quem assistiu aos jogos contra Treze, Santa Cruz-PE e Internacional-PB, analisando friamente e honestamente, sabe que a equipe do único hexacampeão paraibano mostrou que tem potencial, domínio de jogo e valores individuais e coletivos para chegar longe. Faltavam e ainda faltam algumas “peças” com mais faro de gol e arrumação do meio pro ataque.

Depois da vitória contra o líder do Paraíbano, o todo-poderoso da capital, lá em seus domínios, com sua torcida e tudo o mais que conhecemos…ih! Algo mudou. Pra mim não. O grupo vai se encontrando. O freio de arrumação dado pelo Presidente Simões, chamando o feito à ordem, e alguns ajustes táticos e de substituições, eis que o panorama muda.

Aguardemos as cenas dos próximos capítulos.